Como ter uma boa oratória: o que não te contaram sobre a comunicação!

Speaker! Tudo bem?

Uma das perguntas que mais escuto no meu dia a dia é justamente esta: como ter uma boa oratória?

Para muitas pessoas, a oratória é algo engessado, com um conjunto de verdades absolutas e técnicas universais.

E eis, então, o que não te contaram sobre comunicação: parte importante dela é a autenticidade. Não é preciso ser extrovertido para ser um bom comunicador. Não é preciso ser engraçado para usar humor nas apresentações.

Você pode (e deve) ser você mesmo, se conhecer e, a partir disso, desenvolver uma boa oratória. Nesse caminho, há ações que considero como fundamentais.

Veja quais são elas lendo este artigo até o fim! Vamos?

O que significa ter uma boa oratória?

Para você, o que significa ter uma boa oratória? É falar bem em todos os momentos, saber improvisar, ser claro na hora de se comunicar? É falar com muitos tecnicismos, utilizar muitos dados e se manter com o rosto neutro todo o tempo?

É importante compreendermos o que, de fato, é a “boa oratória”. Afinal, como eu disse, ela não é engessada e depende do seu contexto, das suas necessidades e das suas características enquanto comunicador.

De maneira geral, uma boa oratória é aquela que permite o completo entendimento de uma mensagem. Em outras palavras, é conseguir falar de uma forma que os outros compreendam facilmente.

Mas não para por aí: a boa oratória também é aquela capaz de persuadir, de induzir a uma determinada ação. Todo processo comunicacional tem uma intenção e a oratória está relacionada a isso.

A boa oratória é o conjunto de técnicas e estratégias adaptáveis a diferentes contextos, cujo propósito principal é fazer com que uma mensagem seja compreendida e tenha o impacto esperado pelo comunicador.

Essa é a minha definição. É o que vivencio todos os dias aqui na The Speaker. Como, então, ter uma boa oratória? Veja a seguir.

Como ter uma boa oratória?

Em realidade, a pergunta não deveria ser “como ter uma boa oratória”, mas, sim, “como desenvolver uma boa oratória”. Por quê? Porque a oratória não é algo que recebemos pronto, mas algo que lapidamos e aperfeiçoamos todo o tempo.

Para desenvolver uma boa oratória, é indispensável desenvolver três pilares centrais: o conteúdo, a expressão corporal e a expressão verbal. É a partir desses três pilares básicos e essenciais que podemos pensar em estratégias para a comunicação.

– O conteúdo

O que é o conteúdo? É, basicamente, aquilo que você diz. Em uma apresentação, é a sua fala. Em um discurso, é o discurso. Em uma negociação, é a sua maneira de argumentar. Em uma reunião, é a forma como apresenta o que quer dizer.

O conteúdo é um dos pilares centrais da comunicação. É o ter o que dizer e, mais que isso, o saber organizar todo esse conhecimento de uma maneira interessante, chamativa e que, de alguma forma, agregue valor à sua audiência.

Como potencializar o conteúdo?

– Conhecendo o seu público

– Pesquisando sobre o assunto do qual falará

– Aprendendo a planejar boas introduções

– Organizando a sua fala de uma maneira assertiva

– A expressão vocal

Sim, O QUE se fala é fundamental, mas o COMO se fala também é. E é aqui que entra a chamada dinâmica não-falada: tudo aquilo que expressamos com nosso corpo e a nossa voz.

A expressão vocal é, portanto, a maneira como utilizamos a nossa voz. Um conteúdo excelente perde potência caso não saibamos usar a voz e todos os recursos que ela nos permite.

Quanto a isso, é preciso:

– Saber aplicar os silêncios

– Encontrar um ritmo e volume de voz confortáveis

– Conseguir alterar o tom de voz em trechos estratégicos

– A expressão corporal

Ainda na dinâmica não-falada, está a expressão corporal. O que é essa expressão? São os gestos, o olhar, a postura, a roupa, as expressões faciais… Esse é o terceiro pilar de como ter uma boa oratória.

Garantir que os gestos estejam em harmonia com o que se diz, assim como as expressões faciais. Cuidar da postura. Entender que é preciso manter contato visual com o público…

Tudo isso faz parte desse terceiro pilar e precisa ser aprimorado na jornada rumo a uma comunicação assertiva, impactante e bem sucedida.

De que forma um treinamento pode te ajudar?

Como eu disse antes, a oratória não é um conjunto de regras engessadas, alheias a qualquer contexto. A comunicação trata, sobretudo, da conexão entre as pessoas e, por isso mesmo, tudo é mais complexo que qualquer generalização.

Um bom treinamento em oratória considera as suas especificidades, o seu perfil como comunicador e os principais desafios que fazem parte do seu cotidiano. É com esse acompanhamento que você potencia seus pontos fortes e cuida dos pontos fracos.

Você aprofundará nos três pilares dos quais falamos, ao contar com a orientação de profissionais. Além disso, otimiza o processo de aprendizagem e garante que tudo o que trabalhar tenha sentido para a sua realidade.

Por que investir na sua comunicação?

“Ok, Livia, mas por que é tão importante desenvolver uma boa oratória?”

Pense na seguinte situação: em uma empresa, há dois profissionais que realizam ações similares. O primeiro deles trabalha intensamente e tem bons resultados, mas não sabe falar sobre eles.

O segundo, por sua vez, não tem tanto destaque nos resultados práticos, mas, quando chegam as reuniões, consegue se comunicar de uma maneira impactante, que chama atenção dos seus líderes.

Qual, desses dois profissionais, tem mais chances de ascender mais rapidamente? O segundo, aquele que sabe se comunicar melhor. A razão disso é uma só: hoje, a comunicação é uma das habilidades mais requisitadas e valorizadas.  

Tão importante quanto saber como ter uma boa oratória é dar os primeiros passos para aprimorar a maneira como você se comunica. Fale com gente e conheça melhor as nossas soluções!

Clique para dar sua nota!
Avaliações: 0 - Avaliação média: 0

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *