Gafes na oratória: as situações mais embaraçosas que jamais poderíamos imaginar

Independente da sua desenvoltura na hora de se comunicar ou do quão hábil seja a sua dicção, é muito provável que você tenha se enrolado na hora de falar uma palavra ou outra. Esse tipo de gafe na oratória é extremamente comum.

Normalmente a culpa das gafes sempre recai sobre o nervosismo de quem está comunicando, o que só tende a piorar quando o erro é cometido e acaba virando uma bola de neve para o comunicador.

Com a internet, hoje acabamos nos deparando com diversas situações extremamente embaraçosas que antes não aconteceriam ou não teriam a mesma proporção.

Mas antes de chegar nesse assunto, vamos falar sobre como os pilares centrais da oratória podem ajudar o comunicador até nesses momentos de leve desespero. Confira agora o artigo na íntegra. Boa leitura!

Quais são os três pilares da oratória?

Esses três pilares tão essenciais remetem à Grécia Antiga: Aristóteles foi o estudioso e filósofo que percebeu o poder que esses três pilares têm sobre a forma como nos comunicamos e a mensagem que desejamos passar a quem nos ouve.

Vamos adentrar um pouco em cada um deles?

1.    Atenção á expressão corporal

O orador precisa passar um certo grau de autoridade para que a sua audiência confie, acredite e dê crédito àquilo que ele está comunicando.

A postura do orador é imprescindível para demonstrar essa segurança e credibilidade, sem falar das expressões faciais, que podem trazer uma sensação amigável de conforto para o público.

Lembre-se sempre de que o seu corpo também vai comunicar algo, muitas vezes de forma mais clara do que suas próprias palavras.

2.    A mensagem precisa ser clara para o público

Pense comigo: durante uma palestra sobre como empreender no Nordeste, o palestrante faz uso de artifícios e exemplos distantes da realidade dos nordestinos. A mensagem que ele passa chega ao público ouvinte?

Use artifícios que ajudem a compreensão do tema: exemplos práticos (como o citado no início do tópico), situações do dia a dia do público ou formas em que aquilo que está sendo dito pode ser aplicável.

Essa também é uma forma de gerar conexão com o público: quanto mais próximo da realidade do outro, mais disposto ele estará de ouvir e acolher suas ideias.

3.    O seu uso da voz pode fazer toda diferença

Além da mensagem, é preciso cuidar e estar atento ao maior instrumento do palestrante/orador: a sua voz.

Se você sente um frio na barriga na hora de falar em público e fica travado, é provável que você acabe baixando o tom de voz e a sua mensagem não chegue como deveria para quem ouve.

O momento de subir no palco ou de simplesmente estar à frente de uma audiência fica mais tranquilo quando lembramos que todos temos um pouco de medo de estar ali. Praticando esses 3 pilares, as coisas ficam ainda mais naturais com o tempo.

Mark Twain, escritor americano e criador das “Aventuras de Tom Sawyer”, disse que “existem dois tipos de pessoas que falam em público: as que ficam nervosas e as que mentem sobre isso”.

Como praticar os três pilares e evitar gafes?

Muitas das coisas que estudamos só se tornam ensinamentos valiosos quando passamos a aplicá-los no nosso dia a dia, e não seria diferente com os pilares da oratória.

Existem diversos exercícios práticos para desenvolver essas habilidades: exercícios para a dicção, como trava-língua e repetição de vogais, que podem ser feitos ao longo do dia.

Outra coisa que pode auxiliar a sua desenvoltura é observar e tentar imitar a postura de palestrantes que você admira: como ele se movimenta, como ele fica parado diante de uma audiência, o que ele faz com as mãos enquanto fala e enquanto está imóvel.

Esses exercícios ajudam muito o orador iniciante, mas é necessário comprometimento em realizá-los.

Quais as principais gafes na oratória a serem evitadas?

Gafes, em sua maioria, são cometidas por simples falta de conhecimento sobre o assunto ou por inocência do comunicador. São erros que podem ser cometidos por qualquer um, mas que precisam ser evitados a todo custo.

Que tal alguns exemplos do que ser evitado? Confira abaixo.

1.    Achar que palavras difíceis transmitem mais autoridade

É compreensível achar que falar difícil é a mesma coisa que ter autoridade no assunto: antigamente, uma linguagem rebuscada era sinônimo de uma melhor educação.

Contudo, as coisas mudaram bastante. Hoje em dia, falar simples é falar bem. Tem mais credibilidade aquele que se faz entender, independente do tema abordado, do que aquele comunicador que complica o que deveria ser de fácil entendimento.

Ou seja, nada de procurar enfeitar sua fala quando você pode simplificá-la.

2.    Se apoiar em apresentações de slides

O que antes era visto como instrumento principal, hoje é visto apenas como um complemento ou um apoio para a fala.

As palestras e falas de um orador ou comunicador precisam estar pautadas no que ele tem a dizer, não em simplesmente ler o que está num slide. A apresentação é apenas um plus, um algo a mais, não o centro da sua palestra.

Por isso, evite ao máximo colocar textos nessas apresentações. Ao invés disso, substitua-o por imagens ou palavras-chave, assim você consegue ter a atenção voltada para si, como deve ser.

3.    Não conhecer o público que vai te ouvir

É uma gafe gravíssima achar que a sua mensagem vai ser ouvida da mesma maneira por qualquer público.

A comunicação que você usa para um jovem estudante não é a mesma que você deverá usar quando se comunicar com mulheres empreendedoras, por exemplo. São linguagens completamente diferentes. Se prepare de acordo com quem vai te ouvir.

4.    Usar o humor como forma de ser preconceituoso

Primeiro que o preconceito, seja ele religioso, racial, étnico ou gênero, é uma gafe sem tamanho.

Mas usá-lo como forma de humor é ainda pior e mais ofensivo porque incita pessoas a rirem de algo que não é razão de riso.

Use o humor como forma de aliviar a tensão e descontrair sua fala, não como forma de ofender alguém da sua audiência.

5.    Ter a palavra somente para si

As pessoas amam interações e esperam isso de você, orador. Elas querem ter voz e com toda certeza alguém do seu público vai ter algo a dizer sobre o assunto ou até mesmo tirar alguma dúvida.

Esteja disposto a ouvir e tirar dúvidas sempre. Isso não vai atrapalhar o que você tem a dizer, mas provavelmente vai fortalecer a sua mensagem.