Linguagem neutra e oratória: o que é e como usar?

Olá, Speaker!

A linguagem neutra, ou linguagem não-binária, tem sido adotada por diversas empresas, líderes e marcas: em propagandas, na comunicação interna, no atendimento ao cliente, em apresentações, na web…

A intenção desse tipo de linguagem é adotar uma comunicação mais inclusiva e abrangente, rompendo com o binarismo de gênero na linguagem, isto é, com uma maneira de se comunicar que considera apenas os gêneros masculino e feminino.

A linguagem, assim como a Comunicação, muda a todo o tempo. Afinal, ela é viva. Não é um conjunto de regras engessadas, mas, sim, algo intrinsecamente ligado à cultura, aos costumes, ideologias, entre tantos outros aspectos das sociedades, que também se transformam.

Afinal, usar ou não usar a linguagem neutra na sua empresa? E, mais: qual é a forma correta de fazer isso: é usando o X ou o @? Ou há outras opções mais aceitas?

Vou responder a essas e outras perguntas sobre este tema, tão destacado ultimamente. Boa leitura!

Linguagem neutra ou não-binária: o que é?

A linguagem neutra, ou não-binária, é aquela que deixa de usar o binarismo de gênero, ou seja, o que considera apenas o masculino e o feminino. Em outras palavras, é adotar uma linguagem neutra sempre que se referir a uma pessoa.

Como eu disse, esse tipo de linguagem é adotado com a intenção de ser mais abrangente e não excluir pessoas pela sua identidade de gênero, embora seu uso não seja exclusivo para pessoas não-binárias.

Para entender melhor, é interessante pensar em um caso recente, da Japain Airlines. Nos aviões, ainda é comum que os comissários de bordo comecem suas frases com “senhores e senhoras”. Esse é um exemplo de linguagem binária, “tradicional”.

A Japain Airlines anunciou, há pouco tempo, que deixará de usar esse tipo de tratamento, justamente para abranger a mais pessoas, isto é, adotar uma linguagem mais inclusiva.

Como usar a linguagem neutra: é usando o X ou a @?

Há uma série de sistemas de linguagem neutra.

Há algum tempo, era comum o uso do X ou da @ ao final das palavras, a fim de torná-las não-binárias. Por exemplo: o “seja bem-vindo” ou “seja bem-vinda” dariam lugar ao “seja bem-vindX” ou “seja bem vind@”.

Contudo, esse tipo de linguagem – o que propõe o uso do X ou da @ – não é o mais aceito hoje em dia. Os motivos? Ele dificulta a compreensão por quem tem dislexia, por exemplo.

Outro problema é o fato de não ser compreendido por aplicativos de leitura utilizados por deficiente visuais. Ou seja: o X ou o @ não são inclusivos e, como nós já vimos aqui, o propósito é o de adotar uma linguagem abrangente.

Então, como usar?

Há alguns sistemas de linguagem neutra. Um dos mais citados na mídia é o sistema ILE. Nele, a grafia e a pronunciação de algumas palavras seriam: amigue, minhe, nosse. A frase “eles são amigos” seria “iles são amigues”, por exemplo.

Adotar algum desses sistemas de variação linguística, como o ILE, não é a única forma de usar uma linguagem neutra na comunicação da sua empresa ou na sua própria comunicação. Algumas outras ações são:

– Evitar artigos e pronomes de gênero em substantivos uniformes

E como seria isso na prática? Na frase: “os colegas chegarão cedo para a festa”, bastaria retirar o “os”. Não há necessidade dessa especificação e eliminá-la, sempre que possível, é uma forma de adotar uma linguagem mais neutra.

– Substituir sujeitos por “pessoas que”

Outra alternativa é adotar a expressão “pessoas que” em suas frases, seja em e-mails, discursos, postagens das redes sociais, vídeos ou quaisquer outros tipos de comunicação.

Por exemplo: ao invés de escrever “bons comunicadores são”, usar “pessoas que se comunicam bem são”. Notou a diferença, Speaker?

Linguagem neutra: usar ou não usar em sua comunicação?

E, agora, chegamos a uma pergunta bem frequente por aqui: usar ou não usar a linguagem neutra na sua comunicação e na comunicação da sua empresa?

Bem, já ressaltei que o propósito da linguagem neutra, não-binária, é o de utilizar uma comunicação mais abrangente, mais inclusiva. Assim como a Japain Airlines, outras empresas e marcas vêm adotando essa linguagem.

Dito isso, a decisão de usar ou não vai da política de cada empresa. Hoje, essa decisão é algo que posiciona uma marca até politicamente. É importante se ater a isso também.

Agora, se você decidir usar a linguagem neutra, é imprescindível fazer essa ação da forma correta e garantir que exista uma harmonia em todos os canais de comunicação. Isto é, padronizar a linguagem, já que também é um traço da identidade da marca.

Por isso mesmo, entender o que é a linguagem neutra, conhecer suas variações e aplicá-la corretamente são passos fundamentais se você optar por usar esse tipo de comunicação.

O uso do X ou da @, como vimos, já não é o mais aconselhado. Não se esqueça disso!

A linguagem neutra já é um tema muito abordado e discutido atualmente. A tendência é que esse tipo de discussão, a que tem a linguagem como protagonista, tende a ser mais comum.

E aí, ainda tem dúvidas quanto a este tema? Fale com a gente!

Clique para dar sua nota!
Avaliações: 0 - Avaliação média: 0

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *