Oratória e Mapa Mental: como usar esta técnica para uma apresentação de alto impacto?

Olá, Speaker!

Para escrever este artigo, tive que pensar nos tópicos principais que eu gostaria de falar com você. Priorizar os mais importantes e, depois de tudo isso, organizar as informações em forma de texto.

Em uma apresentação (reunião, PITCH, entrevista e outras situações), também é preciso organização de ideias. Da mesma forma que acontece na linguagem escrita.

O Mapa Mental é uma das técnicas mais eficientes para organizar uma fala e ter uma comunicação de alto impacto.

Se as pessoas não entendem facilmente o que você diz, pode ser que esteja faltando exatamente isto: a organização da sua mensagem!

Siga a leitura, entenda mais sobre o Mapa Mental na oratória e veja como aplicar este recurso daqui em diante! Vamos?

Oratória e Mapa Mental: por que organizar a sua fala?

Vamos ser sinceros, Speaker: hoje, há cada vez menos paciência em ouvir os outros ou consumir conteúdo extenso. Não é verdade? As informações precisam vir lapidadas, bem estruturadas e com uma abordagem interessante.

Isso significa que há pouco esforço em entender uma mensagem, especialmente se ela não é tão atrativa à primeira vista. Em outras palavras: se sua fala for desorganizada, sua audiência não a escutará. Pelo menos, não fará isso com atenção.

Os sintomas de uma fala desorganizada são os seguintes:

– Pouca atenção do público

– Baixa reação da audiência a recursos como o humor e a emotividade

– Repetição de perguntas sobre algo que já foi dito

– Dificuldade em concluir temas e concretizar a fala

Nesse sentido, é fundamental recorrer a técnicas de organização de fala e conteúdo. O Mapa Mental é o que considero mais eficiente e com maior capacidade de adaptação. Veja a seguir.

O que é o Mapa Mental?

Costumo dizer que não existem regras engessadas na comunicação, justamente porque ela é dinâmica e depende de uma grande variedade de fatores. No entanto, o mapa mental pode ser usado em praticamente todas as situações.

Para isso, é preciso adaptar esse recurso segundo suas necessidades e otimizar todo o seu processo de aplicação e uso. Mas como usar o Mapa Mental?

Antes de falar sobre isso, é interessante entender o que é esta técnica. Se você já estudou para vestibular ou concursos públicos, pode ser que tenha usado o Mapa Mental sem sequer saber que tinha este nome.

O Mapa Mental é uma ferramenta para organização, fixação e prática de um conteúdo. Nele, atribuímos imagens aos tópicos centrais da fala, o que facilita (e muito) a familiarização e a performance como um todo.

Em seguida, essas imagens – aliadas a palavras-chave – são utilizadas como um guia (um mapa) para praticar o conteúdo, aprimorar a abordagem e realizar os ajustes, se necessário.

Como aplicar o Mapa Mental em qualquer situação?

A aplicação do Mapa Mental não é nada complexa. Repito: é indicado fazer adaptações segundo o contexto e o seu perfil como comunicador. Ainda assim, de maneira geral, são necessários alguns passos para usar o Mapa Mental:

  1. Defina o tema central da sua fala
  2. Faça um brainstorm com as informações e dados que gostaria de inserir
  3. Priorize as informações do passo anterior e as divida em 3 tópicos centrais
  4. Organize esses 3 tópicos centrais, que serão o desenvolvimento do conteúdo
  5. Atribua uma palavra-chave e uma imagem (um desenho) a cada tópico
  6. Faça, agora, a introdução e a conclusão da sua fala
  7. Utilize esse guia com uma Mapa para praticar a sua fala

Vejamos um exemplo simples: farei uma apresentação sobre o Instagram e seus usos profissionais. Este é meu tema central. Ao pensar sobre ele, eu gostaria de falar sobre: marketing, comunicação nos stories, estratégias para crescer no algoritmo, enquadramento, uso de caixinha de perguntas, reels…

Há, aqui, um excesso de informações, percebe? Por isso mesmo, vem o próximo passo, que é priorizar aquilo que será dito. Em apresentações, é interessante reduzir o volume do que é dito, justamente para potencializar a mensagem.

Decido, então, abordar três tópicos: a comunicação nos stories, como escolher o melhor enquadramento para os vídeos e como dominar a linguagem não-verbal para ter uma boa imagem na tela.

Para cada um desses tópicos, atribuo uma imagem e algumas palavras-chave. Por fim, faço a minha introdução, pensando em algo chamativo para começar, e a conclusão. Uso tudo isso para praticar e fazer alguns ajustes.

A regra dos três tópicos: por que você deveria usá-la?

No tópico anterior, você notou que a orientação é dividir o conteúdo da sua apresentação em apenas três tópicos, correto? Mas por que esse número tão reduzido? Porque abordar mais tópicos que isso é ineficaz.

Steve Jobs foi um dos maiores comunicadores recentes e, ainda hoje, impacta a maneira como as pessoas fazem apresentações. Um de seus recursos era, justamente, dividir a fala em poucos tópicos, o que retém a atenção do público.

Se você optar por incluir muitos tópicos na sua fala, corre o grande risco de que nenhum deles tenha a relevância que você gostaria que tivessem. Muita informação acaba ofuscando o que há de mais importante para ser dito.

Vamos recapitular?

Na nossa conversa de hoje, você viu que:

– Organizar a fala é um dos cuidados mais importantes para uma comunicação de alto impacto

– O Mapa Mental é uma técnica de fácil aplicação e adaptável a uma grande variedade de contextos

– Para usar o Mapa Mental, são necessários apenas alguns passos, que inclui dividir sua fala em 3 tópicos

Essas três informações são importantes para você elaborar bons conteúdos, especialmente em situações de exposição de fala, como apresentações, reuniões, entrevistas, gravação de vídeos e outras similares.

Assim como o Mapa Mental, aprender outras técnicas de oratória impulsiona a sua comunicação. Com a prática, você se familiariza com esses recursos e passa a utilizá-los de maneira naturalizada e em qualquer contexto – de exposição ou não.

Para saber mais sobre oratória, conheça nossas soluções e veja qual delas é a mais indicada para você. Seja a sua melhor expressão e conte comigo neste processo!