Disfonia: o que é

Livia Bello

| CEO The Speaker

Muito prazer, meu nome é Lívia Bello, sou CEO e Fundadora da The Speaker, uma empresa que é referência em comunicação e oratória no Brasil.

Search

Últimos Posts

Comunicação Magnética

Comunicação magnética refere-se à habilidade de atrair e manter a atenção das pessoas de forma eficaz, fazendo com que se sintam engajadas e conectadas com

Ler mais »

Disfonia: o que é

A disfonia é um termo médico que se refere a qualquer alteração na qualidade da voz devido a problemas nas cordas vocais ou nas estruturas relacionadas ao trato vocal.

Geralmente, a disfonia resulta em mudanças na ressonância, pitch, volume ou qualidade da voz de uma pessoa. Isso pode fazer com que a voz soe rouca, áspera, tensa, fraca, trêmula ou até mesmo quase inaudível.

As causas da disfonia podem variar e incluir:

  1. Uso excessivo ou abuso vocal: Gritar, falar em volumes altos por longos períodos ou usar a voz de maneira inadequada pode causar estresse excessivo nas cordas vocais.
  2. Infecções ou inflamações: Infecções virais, como resfriados ou gripes, podem inflamar as cordas vocais e afetar a qualidade da voz temporariamente.
  3. Nódulos, pólipos e cistos nas cordas vocais: Crescimentos anormais nas cordas vocais podem afetar sua vibração e, consequentemente, a qualidade da voz.
  4. Doenças ou condições médicas: Algumas condições médicas, como refluxo gastroesofágico (GERD), alergias, problemas neuromusculares e outras doenças podem contribuir para a disfonia.
  5. Tabagismo e exposição a substâncias irritantes: O fumo e a exposição constante a substâncias irritantes, como fumaça de cigarro, podem prejudicar as cordas vocais.
  6. Lesões: Traumas diretos na área do pescoço ou das cordas vocais podem resultar em disfonia temporária ou permanente.
  7. Envelhecimento: Com o envelhecimento, as cordas vocais podem sofrer mudanças que afetam a voz.

O tratamento da disfonia depende da causa subjacente. Pode variar desde repouso vocal e hidratação adequada até terapia vocal, medicações, cirurgia (casos mais graves) e mudanças no estilo de vida. Em muitos casos, procurar um otorrinolaringologista (médico especializado em ouvidos, nariz e garganta) é a melhor abordagem para avaliar a causa da disfonia e determinar o tratamento adequado.

Tipos de disfonia

Existem vários tipos de disfonia, cada um com características específicas e causas variadas. Aqui estão alguns dos tipos mais comuns de disfonia:

  1. Disfonia Funcional:
    • É o tipo mais comum de disfonia e ocorre devido ao mau uso ou abuso vocal. Pode ser causada por esforço excessivo nas cordas vocais, como gritar ou falar em volumes altos por longos períodos. Pode levar a mudanças na qualidade da voz, como rouquidão e fadiga vocal.
  2. Disfonia Orgânica:
    • Resulta de alterações físicas nas estruturas das cordas vocais, como nódulos, pólipos, cistos, edema ou úlceras. Essas alterações afetam a vibração das cordas vocais, resultando em mudanças na qualidade vocal.
  3. Disfonia Espasmódica:
    • É um distúrbio neuromotor que causa movimentos involuntários dos músculos das cordas vocais durante a fala. Pode causar voz trêmula, entrecortada ou estrangulada. Existem subtipos, incluindo disfonia espasmódica de adução (quando as cordas vocais se fecham demais) e disfonia espasmódica de abdução (quando as cordas vocais se afastam demais).
  4. Disfonia de Conversação:
    • É caracterizada por dificuldades na produção da fala em situações sociais. Pode incluir hesitações, repetições de palavras e pausas frequentes.
  5. Disfonia Psicogênica:
    • Pode ocorrer devido a fatores emocionais ou psicológicos. A qualidade da voz pode ser afetada por tensão muscular ou bloqueio psicológico.
  6. Disfonia de Origem Neurogênica:
    • É causada por problemas neurológicos que afetam o controle dos músculos envolvidos na fala. Isso pode incluir paralisia das cordas vocais ou fraqueza muscular.
  7. Disfonia de Origem Hormonal:
    • Mudanças hormonais, como as ocorridas durante a puberdade, gravidez ou menopausa, podem afetar a qualidade vocal.
  8. Disfonia Infantil:
    • Afeta crianças e pode ser causada por fatores como malformações congênitas, uso excessivo da voz ou infecções respiratórias.
  9. Disfonia Geriátrica:
    • É relacionada ao envelhecimento e às mudanças naturais nas estruturas das cordas vocais e no controle muscular. A voz pode ficar mais fraca e trêmula.
  10. Disfonia Neurodegenerativa:
    • Algumas condições neurodegenerativas, como a doença de Parkinson, podem afetar a voz devido a mudanças no controle neuromuscular.

Cada tipo de disfonia requer uma abordagem específica de diagnóstico e tratamento, portanto, é importante procurar a orientação de um profissional de saúde, como um otorrinolaringologista ou um fonoaudiólogo, para avaliar a causa da disfonia e recomendar o tratamento adequado.

Como evitar a disfonia?

Prevenir a disfonia envolve adotar práticas saudáveis para cuidar da sua voz e das estruturas vocais. Aqui estão algumas dicas para evitar a disfonia:

  1. Hidratação Adequada:
    • Beba bastante água para manter as cordas vocais hidratadas. Evite bebidas com cafeína ou álcool, pois podem causar desidratação.
  2. Uso Adequado da Voz:
    • Evite gritar ou falar em volumes altos por longos períodos. Use sua voz de maneira equilibrada e modere o esforço vocal.
  3. Descanso Vocal:
    • Dê descanso adequado à sua voz, especialmente após períodos de uso intenso, como longas conversas ou apresentações prolongadas.
  4. Aquecimento Vocal:
    • Faça aquecimento vocal antes de situações que exijam uso prolongado da voz. Isso ajuda a preparar as cordas vocais para a atividade vocal.
  5. Boa Postura:
    • Mantenha uma postura adequada ao falar para permitir uma respiração eficaz e um uso correto da voz.
  6. Ambientes Saudáveis:
    • Evite ambientes com ar condicionado ou aquecimento excessivos, pois eles podem ressecar as cordas vocais. Use umidificadores, se necessário.
  7. Evite Fumar:
    • O tabagismo é prejudicial para a saúde vocal. Fumar pode irritar e danificar as cordas vocais, aumentando o risco de disfonia.
  8. Evite Substâncias Irritantes:
    • Evite inalar fumaça de cigarro, produtos químicos ou poluentes que possam irritar as vias aéreas.
  9. Fonoaudiologia:
    • Se você utiliza muito a voz profissionalmente, considere consultar um fonoaudiólogo para aprender técnicas de uso vocal saudável.
  10. Alimentação Balanceada:
    • Mantenha uma dieta equilibrada e evite alimentos picantes ou muito ácidos, que podem causar refluxo e irritar as cordas vocais.
  11. Cuide da Saúde Geral:
    • Mantenha um estilo de vida saudável com exercícios regulares, sono adequado e gerenciamento do estresse, pois esses fatores afetam a saúde vocal.
  12. Evite Pigarrear Excessivamente:
    • Pigarrear pode irritar as cordas vocais. Em vez disso, beba água para aliviar a sensação de “garganta seca”.

Lembrando que cada pessoa é única e os cuidados podem variar de acordo com o estilo de vida e as necessidades individuais. Se você já apresenta sintomas de disfonia persistente, como rouquidão crônica, é aconselhável procurar um profissional de saúde, como um otorrinolaringologista ou um fonoaudiólogo, para avaliar a situação e recomendar um tratamento adequado.

Nosso blog

Últimas postagens

Comunicação Magnética

Comunicação magnética refere-se à habilidade de atrair e manter a atenção das pessoas de forma eficaz, fazendo com que se sintam engajadas e conectadas com

Ler mais »

Oratória em Diversos Contextos

A oratória é uma habilidade versátil e essencial em vários aspectos da vida, desde o ambiente profissional até eventos sociais e políticos. Cada contexto apresenta

Ler mais »