O que é o datastorytelling e como aplicar essa técnica em suas próximas apresentações?

Livia Bello

| CEO The Speaker

Muito prazer, meu nome é Lívia Bello, sou CEO e Fundadora da The Speaker, uma empresa que é referência em comunicação e oratória no Brasil.

Search

Últimos Posts

O que é o datastorytelling e como aplicar essa técnica em suas próximas apresentações?

Speaker! Como vai?

Você já ouviu falar sobre o datastorytelling? 

Esse termo, muito parecido ao “storytelling”, do qual tanto falamos, tem aparecido com maior frequência, especialmente quando o assunto é como impulsionar apresentações em público no âmbito corporativo.

Por que? A análise estatística e o tratamento de dados são habilidades muito procuradas por empresas, que utilizam índices e números para tomar suas decisões e verificar experiências e rendimentos passados. 

O que nem todo mundo sabe é que, além de saber ler os dados, é também imprescindível saber falar sobre eles. E de uma forma acessível e interessante. Nessa etapa, a de expressar números e estatísticas de um jeito envolvente e eficaz, a comunicação é protagonista. 

O datastorytelling é uma ferramenta que transforma e impulsiona exposições orais, com conteúdos densos, pautados em números, estatísticas e dados. Se você quer conhecer mais sobre essa técnica, está no lugar certo! Boa leitura! 

Entendendo o datastorytelling

Não é por acaso que o termo datastorytelling nos faz lembrar a outro: a storytelling. Essas duas técnicas estão correlacionadas, já que, em suma, o datastorytelling é a aplicação da storytelling em contextos de análise e interpretação de dados. Basicamente, o datastorytelling consiste em contar uma história – e não simplesmente mostrar números, índices, variáveis… 

Em exposições orais cujo tema central é a interpretação de dados, essa ferramenta altera significativamente a percepção das pessoas, tornando a análise numérica muito mais acessível e palpável. Estudos apontam que as pessoas têm muitas dificuldades em assimilar e lembrar de dados numéricos, caso esses não estejam associados a um contexto, uma narrativa. 

Dessa forma, com o datastorytelling, os números são apresentados através de narrativas, em um contexto próximo à audiência. Com isso, tais dados têm muito mais chance de alterar a percepção das pessoas sobre o que está sendo dito e apresentado pelo comunicador. 

Terá que apresentar dados em sua próxima apresentação? Utilize o datastorytelling! 

A ideia de que números e histórias não podem coexistir não é apenas retrógrada, como incoerente. Os números e estatísticas são importantíssimos, é fato. Ainda assim, se estiverem descontextualizados, terão um impacto muito menor na audiência, por mais chamativos que sejam. 

Isso acontece porque, para que números sejam compreendidos e assimilados pela audiência, o comunicador terá que apresentá-los adequadamente, conseguindo inseri-los em contextos palpáveis e, mais que isso, criando narrativas interessantes e coerentes a partir deles. 

Ler, analisar e argumentar com dados são três competências que compõem a chamada “alfabetização de dados” e que impactam positivamente a performance dos profissionais que as utilizam. Para uni-las à inteligência comunicacional, alguns passos se fazem essenciais, a saber: 

  1. Deve-se selecionar quais dados serão abordados na apresentação ou outra situação de exposição de fala. Além disso, assim como se faz com conteúdos verbais, é importante definir qual índice/número/estatística/dado tem maior relevância para o que está sendo dito, garantindo que não se perca em meio ao conteúdo. 

 

  1. Atente-se para a parte visual: em apresentações com muitos dados – e nas quais números e estatísticas têm um grande protagonismo –, slides podem ser ótimos aliados, desde que planejados e produzidos com cautela. Além de organizar melhor a apresentação desses números, eles significam, ainda, um reforço visual importante. 

 

  1. Crie narrativas! Utilizar a experiência de algum personagem para contar uma história ou mesmo compartilhar alguma experiência pessoal, se for o caso, são opções interessantes para criar narrativas que possam “abrigar” os números em questão. A informação é muito melhor assimilada se houver um contexto por trás dos números, muito mais tangível e próximo da realidade que possuem. 

 

  1. Saiba usar os silêncios: a linguagem não-verbal interfere na percepção que a audiência terá do que foi dito. Nas apresentações com alto conteúdo numérico e estatístico, a necessidade de usar bem os silêncios é muito grande. Dar um tempo (consciente) para que o público capte e interiorize o que foi dito, antes de que novos dados sejam apresentados é fundamental para que haja, de fato, uma compreensão total do que foi apresentado na exposição oral. 

 

Este artigo foi útil? Espero que sim! Em sua próxima apresentação, procure aplicar tudo o que vimos aqui. Boa sorte! 

 

Nosso blog

Últimas postagens

Oratória em Diversos Contextos

A oratória é uma habilidade versátil e essencial em vários aspectos da vida, desde o ambiente profissional até eventos sociais e políticos. Cada contexto apresenta

Ler mais »

Técnicas de Retórica Clássica

A retórica clássica, desenvolvida na Grécia e Roma antigas, é a arte de usar a linguagem de maneira eficaz e persuasiva. Muitas das técnicas desenvolvidas

Ler mais »

Oratória para médicos

A oratória é uma habilidade crucial para médicos em diversas situações, tanto na prática clínica quanto em outros contextos profissionais. Aqui estão algumas situações em

Ler mais »