O que não te contaram sobre: oratória na era digital

Olá, Speaker!

A oratória na era digital é um dos assuntos mais importantes atualmente. Neste 2020, tão particular, o protagonismo da comunicação digital cresceu de uma forma impressionante.

Quando os eventos presenciais migraram para o online, muitos profissionais foram pegos de surpresa: eles não tinham conhecimentos sobre as técnicas básicas da oratória digital.

Agora, tantos meses depois, já não há espaço ou desculpas para amadorismo: é preciso – sim ou sim – saber lidar com o online e tudo o que ele implica para o dia a dia profissional.

É por isso que, na nossa conversa de hoje, decidi falar sobre o que nunca te contaram sobre oratória na era digital. Afinal, muito se fala por aí, mas sem ter, muitas vezes, o conhecimento e autoridade para discutir esse assunto.

Confira!

O que não te contaram sobre oratória na era digital?

O digital tem suas especificidades e é por isso que muitos profissionais, incluindo líderes, se viram tão perdidos quando migraram para o home office e substituíram eventos presenciais por outros online.

Até mesmo comunicadores experientes sentiram dificuldades nessa adaptação, justamente porque o tela a tela altera bastante os processos comunicativos. Não é só a distância física, mas uma série de diferenças e particularidades dessa oratória.

Na lista do que não te contaram sobre oratória na era digital e que é sumamente importante saber, estão:

– O conteúdo para o online precisa ser adaptado

As apresentações presenciais já estavam com a tendência de serem cada vez mais curtas. O formato TEDx, por exemplo, adota exposições de, no máximo, 18 minutos. Esse seria o tempo no qual as pessoas começam a perder a atenção.

No online, a agilidade e o dinamismo são outros. Com um simples clique, as pessoas abrem novas abas, checam seus e-mails, leem notícias, postam nas redes sociais: tudo isso durante a SUA fala – caso você não consiga o engajamento necessário.

Por essa razão, no online, a “briga” por ganhar a atenção das pessoas acontece todo o tempo. É preciso, então, adaptar o conteúdo para que ele seja dinâmico e consiga estar à altura de tanto dinamismo.

– A parte técnica é primordial na oratória digital

Pense em uma apresentação presencial: se há o problema com o microfone, você pode resolver (em alguns casos). Se há uma falha nos slides, você consegue seguir com a sua fala, ainda que exista a sensação de que algo está faltando.

E no online? No online, o técnico é a ponte entre você e sua audiência. Se seu microfone não funcionar, os outros não te escutam: não há saída. O mesmo vale para câmera, para a conexão com a internet.

Isso pode até parecer óbvio à primeira vista, mas pense em quantas histórias viralizaram neste ano por problemas técnicos, como ligar o microfone na hora errada ou similares.

Então, sim, há que familiarizar cada vez mais com as ferramentas digitais, evitar gafes e impulsioná-las a seu favor.

– Situações de exposição de fala no online são mais exaustivas

Novo normal. Está vendo a minha tela? Lives. Calls. Zoom. Isolamento. São muitas as palavras e expressões que, de repente, passaram a fazer parte da nossa vida. Entre elas, está a: Zoom Fatigue.

Você pode até não ter ouvido essa expressão, mas certamente a vivenciou no seu dia a dia. Bem, Speaker, “zoom fatigue” é o cansaço extremo que costuma aparecer depois de reuniões, entrevistas e apresentações online.

E eis outra questão que nem sempre te contam: o online cansa mais porque exige muito mais da nossa mente. Mesmo que de forma inconsciente, nosso cérebro tenta interpretar sinais emitidos pelos outros durante um diálogo.

No online, conversamos com um tanto de “quadrinhos”: espaços reduzidos, que forçam nossos olhos e nossa mente. Sem falar, ainda, que, no digital, há outras preocupações, como o medo de falhar na parte técnica ou de ser interrompido.

– É preciso saber fazer perguntas no online

O que você faz quando dirige uma reunião? Quando quer fazer uma pergunta, nem sempre precisa dizer o nome da pessoa a quem ela se destina: basta olhar para esse alguém, fazer um gesto com a mão ou similares.

Na oratória digital, não. Se você não deixar BEM CLARO para quem está direcionada sua pergunta, é provável que fique no vácuo, que ninguém te responda. No online, as perguntas também precisam ser ainda mais claras.

– O contato visual do online existe, mesmo que diferente

Uma das dúvidas mais comuns na oratória “tradicional”, por assim dizer, é: para onde devo olhar enquanto falo? Sempre faço questão de ressaltar a enorme importância do contato visual nos meus treinamentos.

E no online? Essa importância também existe, Speaker. Só que, agora, para dar essa sensação de que há um contato direto entre você e sua audiência, você deve falar olhando para a sua câmera.

Esse é outro item que pode parecer simples, mas não é na prática. Isso acontece porque, na prática, tendemos a olhar para nós mesmos, para a nossa própria imagem enquanto falamos. Isso afeta o processo comunicativo.

– Existe uma etiqueta na oratória digital

Para uma apresentação presencial, você provavelmente pense, com antecedência, na roupa que irá usar, como irá cumprimentar as pessoas presentes, como irá propor interação.

Bem, no digital, também existe uma etiqueta. Por mais que você esteja na sua casa, não dá para simplesmente usar pijamas ou roupas esportivas em uma apresentação formal.

Da mesma forma, não é viável falar de assuntos pessoais: ainda que você esteja vendo a casa dos outros pela tela. Isso até desperta uma sensação de intimidade, mas é preciso ter cuidado e não extrapolar os limites.

 

A oratória na era digital provavelmente irá se adaptando com o tempo. A razão? O digital é assim. O que, hoje, é uma tendência, daqui a alguns meses pode não existir mais.

O que certamente não mudará é a necessidade de se aperfeiçoar, de pensar em bons conteúdos e de desenvolver a sua comunicação interpessoal. Pense nisso!

Clique para dar sua nota!
Avaliações: 1 - Avaliação média: 5

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *